COLUNAS



LINHA SAÚDE MENTAL

com


Joyce de Almeida Cruz

Austismo



Na semana passada diversos materiais foram expostos em redes sociais relacionado ao autismo devido ao dia 2 de Abril ser dedicado a Conscientização sobre o tema, especialmente para falar sobre a existência desse transtorno e combate a discriminação e preconceito contra as pessoas que apresentam essa condição em suas vidas. Então vamos falar um pouco mais sobre o assunto que merece ser discutido o ano todo e não somente numa data específica.

O transtorno do espectro do autismo é uma condição neurológica que é identificada em três níveis: leve, moderada e grave; apresenta como principais aspectos (“sintomas”): a dificuldade de interação social, dificuldade de comunicação, interesses obsessivos por coisas ou temas específicos e comportamentos repetitivos.

A sensibilização sobre o autismo se faz necessária devido à possibilidade do diagnóstico precoce, assim é possível que intervenções sejam realizadas com a criança e também trabalhada com a família a aceitação e apoio nos terapias que forem necessárias.

O diagnóstico precoce permite intervenções o quanto antes, assim a criança recebe os estímulos necessários mais rapidamente e família também tem a oportunidade de compreender sobre como sua criança precisa ser cuidada e estimulada. Negar o diagnóstico somente trará prejuízos e sofrimento para todos (paciente e família).

O acompanhamento para promover o desenvolvimento saudável da criança constitui: diagnóstico precoce, terapia fonoaudiológica para estimular a comunicação, ludoterapia (terapia através do brincar) para estimular socialização, psicoeducação com os familiares, em alguns casos as terapias com medicações também são importantes para cuidar de sintomas como os da hiperatividade ou ansiedade, por exemplo.

Seguem alguns comportamentos que podem indicar suspeita de autismo:

- A criança não atende quando é chamada e não se interessa por pessoas ao redor;

- Apresenta comportamento repetitivo (bater palmas, balançar o corpo, repetição de sons);

- A criança apresenta dificuldade para brincar com outras crianças, prefere brincar sozinha, e tem dificuldades para compreender expressões faciais e gestos;

- A criança não balbucia e nem se comunica com gestos;

- Apresenta atraso na fala, e quando começa a falar pode ter dificuldades para formular frases;

Alguns casos há presença de comportamento hiperativo ou passivo demais, repetições, baixa capacidade de atenção, dificuldade com estímulos sonoros, falta de empatia e dificuldade de abstração.As causas do autismo ainda não são totalmente conhecidas, mas já existem estudos que apontam para questões genéticas e também fatores ambientais (por exemplo: exposição à poluição). O diagnóstico é realizado a partir de observação e também sobre entrevistas aplicadas aos pais para levantar informações sobre o funcionamento da criança. E por não ser algo que é identificado por exames de imagem ou laboratorial, é muito importante que os pais conheçam os marcos de desenvolvimento importantes dos filhos (falar, caminhar, interação social, dentre outros).

Lembre-se que um problema só poderá ser enfrentando se for aceito e reconhecido como parte do momento em que se vive, se ele for negado às coisas tendem a ficar cada vez mais difíceis, e se o problema estiver diretamente relacionado a uma criança lembre-se que você enquanto adulto (pai ou cuidar) é totalmente responsável por ofertar cuidados, e no caso da negligência também será responsabilizado. A pessoa autista não pediu para nascer assim, mas isso não a coloca numa posição de invalidez ou exclusão, quem minimiza potencialidades geralmente são as pessoas ditas “normais”. Os autistas são tão potentes quanto qualquer pessoa, porém apresentam uma maneira diferente de compreender o mundo e por isso precisam de ajuda nesse sentido.

Resumindo: o diagnóstico precoce pode propiciar uma ótima qualidade de vida a pessoa com autismo, o combate a discriminação e preconceito são essenciais na promoção de saúde.
Queridos leitores gostaria da participação de vocês sobre os temas das colunas semanais, assim caso tenham alguma sugestão me enviem whtatsapp ou informem direto no Linha Popular.  
 
**Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Linha Popular.
 
Joyce de Almeida Cruz
Psicóloga Clínica
CRP 12/11350
(47) 99905 2536 – whatsapp
Joyce.cruz.5473 –instagram

Sobre Joyce de Almeida Cruz

Psicóloga


Sobre a Coluna

Linha Saúde Mental

Uma coluna que reúne assuntos relacionados a saúde mental a partir do olhar da psicologia. Temas que podem ajudar as pessoas a lidarem com suas emoções e sentimentos, e ajudar ainda na compreensão sobre temas do dia a dia a fim de promover a saúde mental de todos, com a psicóloga Joyce Almeida.


COMENTÁRIOS