COLUNAS



LINHA SAÚDE MENTAL

com


Joyce de Almeida Cruz

Alienação Parental




Foto: Khusen Rustamov

Você sabe o que significa alienação parental? Quais as consequências dela nos filhos?
Alienação parental é quando um dos genitores ou os dois realizam a manipulação psicológica do filho a fim de denegrir a imagem do outro genitor, isso geralmente acontece quando estão disputando a guarda do filho.

Tenho observado muitos pais separados procurando atendimento psicológico para os filhos devido suspeita de alienação parental, essa busca geralmente acontece com o intuito de prevenir o adoecimento emocional dos filhos e/ou ainda com a finalidade de colher provas para requerer a guarda. Penso que se esses pais têm a dimensão do mal que a alienação parental pode causar nos filhos então por que se mantém nessa posição de alienar ou de passividade observando o estrago emocional que está ocorrendo e não fazendo nada para impedir. Nessa caminhada tenho observado muitas brigas de “ego”, ou ainda diversas formas de ataque na tentativa de requerer a guarda do filho e infelizmente escolhem depreciar um ao outro com o intuito de provocar no filho a decisão de escolha de quem será o bom e quem será o ruim, e infelizmente vejo poucos pais compreenderem o quanto esse comportamento pode adoecer um filho. E gostaria de enfatizar que psicoterapia nenhuma vai dar jeito se os adultos não se conscientizarem e modificarem suas atitudes na frente de seus filhos. Somos psicólogas e não milagreiras!

Independente da separação, o pai será sempre o pai e a mãe será sempre a mãe, a escolha de ser um pai ou mãe irresponsável fica pra vocês genitores. Os filhos não têm culpa do que se passou na relação de vocês e menos ainda do que não deu mais certo. Faça a diferença na vida de seu filho e aproveite as experiências da vida para promover bons ensinamentos. Que tipo de exemplo você quer dar ao seu filho? O que deixou de funcionar na relação não é culpa dos filhos e sim de outras tantas coisas que provavelmente aconteceram, mas que de maneira alguma pode ser um impeditivo de uma boa relação dos genitores mesmo quando separados; sejam amigos e contemplem o lindo aprendizado que podem proporcionar aos filhos. Mostre a seu filho que dignidade e respeito devem estar acima de tudo, respeite a mãe/pai do seu filho como você gostaria que respeitassem a sua mãe ou seu pai.

Quando a falta de respeito e a depreciação ganham força, esses filhos tendem a absorver uma culpa pelo excesso de “ódio” entre os genitores de maneira totalmente desnecessária e isso pode levar a sentimentos de baixa estima, tristeza, ansiedade, impotência, pensamentos de morte e em alguns casos chega a evoluir para tentativas de suicídio. É essa a dor que você deseja causar em seu filho? Ele não tem culpa da sua imaturidade para resolver suas pendências afetivas com o/a ex. Sejam adultos responsáveis, os filhos não têm culpa!
Caso observe que ainda está muito difícil para o seu filho lidar com a separação, mesmo com sua dedicação em ajudá-lo a compreender e mantendo uma boa relação com o/a ex, pode ser então que seja necessário ajuda profissional, e nesse caso a psicologia pode ajudar na compreensão e elaboração dessa nova realidade experimentada pela criança/adolescente.

Joyce de Almeida Cruz
Psicóloga Clínica
CRP 12/11350
(47) 99905 2536 – whatsapp
Joyce.cruz.5473 - instagram

Sobre Joyce de Almeida Cruz

Psicóloga


Sobre a Coluna

Linha Saúde Mental

Uma coluna que reúne assuntos relacionados a saúde mental a partir do olhar da psicologia. Temas que podem ajudar as pessoas a lidarem com suas emoções e sentimentos, e ajudar ainda na compreensão sobre temas do dia a dia a fim de promover a saúde mental de todos, com a psicóloga Joyce Almeida.


COMENTÁRIOS