COLUNAS



LINHA SAÚDE MENTAL

com


Joyce de Almeida Cruz

Relacionamento Abusivo




Foto: wiki commons

Observo cada vez mais um movimento de carência afetiva a qual pessoas se submetem a relacionamentos doentios (tóxicos e/ou abusivos) devido à carência e ao medo da solidão.

Numa relação tóxica o outro geralmente sempre está te criticando, nunca faz elogios, sempre apresenta pensamentos negativos em relação as suas aspirações de vida, geralmente apresenta perfil controlador e facilmente te faz se sentir mal com comentários infelizes. Numa relação abusiva a pessoa sente a necessidade de exercer poder sobre o outro, impondo como o outro deve ser e agir, ciúme excessivo também é sinal de alerta. Esses comportamentos abusivos e tóxicos inicialmente são sutis, o ciúme é “fofo”, a escolha do que você veste é porque ele cuida de você, e que aos poucos podem se tornam devastadores.

O agredido/abusado facilmente sente-se mal por qualquer coisa e carrega sempre uma culpa sem sentido, e acaba não sinalizando mais seus desejos e deixando pelo outro as rédeas de sua vida já que toda vez que tenta sinalizar algo ou está errado ou é algo que o outro se sinta ofendido ou traído. Já o agressor raramente entende o quão prejudicial está sendo na vida de seu “amor” e acredita piamente que está fazendo o melhor para os dois e tem dificuldade em enxergar os danos causados. Não identificar os danos causados no outro não retira a responsabilidade sobre os atos praticados, pois é possível buscar ajuda para repensar os comportamentos, tanto de omissão no caso do agredido, quanto os comportamentos abusivos do agressor.

Importante destacar que se não houver intervenção a tempo esses relacionamentos podem evoluir para agressões físicas, psicológicas mais evidentes e até mortes. Especialmente nesse período de pandemia infelizmente as notícias apontam para o crescimento de casos de violência doméstica e feminicídio. Então é importante alertar a todas as mulheres que o agressor não se mostra agressor logo de cara, mas que em sua maioria é sedutor e aos poucos vai incluindo os abusos na relação, a ponto de você se sentir culpada e responsável por todas as queixas referidas pelo companheiro. Fique alerta e sinalize limites, se o limite não é aceito então caia fora antes que seja tarde, você merece uma relação saudável cheia de amor e carinho.

Não estou apontando aqui a desistência no primeiro desentendimento, mas quero enfatizar que como em qualquer relação problemas vão surgir, porém juntos é possível superar as dificuldades se houver respeito e companheirismo. Os agressores são pessoas que também necessitam de ajuda, caso seja esse o seu problema procure ajuda para compreender os porquês de se comportar assim e descubra seus furos emocionais para buscar relações saudáveis diferentes do que você aprendeu até o momento.

 As relações saudáveis são possíveis, ambos envolvidos devem estar dispostos a fazer funcionar. Não é cruzar os braços e esperar que o outro faça acontecer, é assumir papel ativo neste processo de resgate e amadurecimento, e também ter maturidade o suficiente para entender quando é necessário terminar e seguir em frente.

Num relacionamento o outro tem obrigação de atender minhas expectativas? Não! E não estou falando apenas de relacionamento de casais, aqui cabem as amizades, a família, trabalho, grupo de estudos, etc. Depositar expectativas é comum e normal, mas como lidar com isso tudo quando somos frustrados? Como lidar com essas diferenças?

Pensar diferente não é sinônimo de incompatibilidade, pessoas podem sobreviver a isso desde que estejam dispostas e abertas a essa compreensão. Agora se não tiver respeito pela diferença de pensamentos, aí talvez seja o momento de repensar a relação e quem sabe permitir que ambos sigam seus caminhos e explorem novas possibilidades na vida.

Se você investe em autoconhecimento e está bem consigo mesmo, as chances de se envolver em relações mais saudáveis podem aumentar. Não caia na armadilha da carência. AME-SE!!! Se estiver confuso procure ajuda, converse com suas pessoas de confiança, ou ainda procure por uma psicóloga. Casos de violência sempre devem ser coibidos, não se cale, denuncie através do 180.

Joyce de Almeida Cruz
Psicóloga Clínica
CRP 12/11350
(47) 99905 2536 – whatsapp
Joyce.cruz.5473 - instagram 

Sobre Joyce de Almeida Cruz

Psicóloga


Sobre a Coluna

Linha Saúde Mental

Uma coluna que reúne assuntos relacionados a saúde mental a partir do olhar da psicologia. Temas que podem ajudar as pessoas a lidarem com suas emoções e sentimentos, e ajudar ainda na compreensão sobre temas do dia a dia a fim de promover a saúde mental de todos, com a psicóloga Joyce Almeida.


COMENTÁRIOS