COLUNAS



LINHA JURÍDICA

com


Cacildo Cardoso Filho

Alerta ao Golpe de clonagem do aplicativo WhatsApp
Como evitar e se proteger


Se tornou comum nos dias atuais, amigos próximos postarem em suas redes sociais que tiveram seus telefones, mais especificamente o seu WhatsApp clonado, noticiando para não depositarem dinheiro para quem vier a pedir, pois não seria o verdadeiro dono do número que estaria pedindo, e sim um golpista, um estelionatário, um criminoso.

Como se já não bastasse o sofrimento das pessoas confinadas em suas casas por causa da quarentena do Covid19, que de certa forma sofrem ou sofreram perdas irreparáveis de entes familiares ou amigos, aparecem estes meliantes crápulas sem escrúpulos, abusar de inocentes que caem no golpe e na lábia deles.

O fator primordial que é aplicado no golpe e o modus operandi de como se dá este crime seria o repasse do código de autenticação do mensageiro que dá acesso aos chats privados do proprietário.

Pior é que muitos repassam este código caindo em uma “conversa fiada”, muitas das vezes oferecida por pessoas que se passam por interlocutores e/ou Telemarketing de alguma empresa, como por exemplo operadoras de telefone, sites de anúncios de venda, como a OLX ou mercado livre.

Já outras formas de aplicar estes golpes envolvem o roubo de dados em sites de vendas, utilizando nome de artistas famosos ou praticam a clonagem do número junto às operadoras de telefonia, entrando em contato com a vítima se passando por representantes dessas plataformas e informando que o perfil recebeu reclamações referentes a um anúncio. 

Em seguida, solicitam que a pessoa confirme seu número fornecendo o código enviado por SMS, e é neste momento, que os criminosos tentam fazer login com o número do WhatsApp da vítima em outro celular. O usuário, então, recebe uma mensagem de texto com o código de validação e o repassa para os criminosos, que passam a ter total acesso às suas conversas e grupos. 
A partir de então, os fraudadores entram em contato com amigos e parentes contando histórias que geralmente envolvem a necessidade urgente de um depósito bancário, realizado em uma conta de um "laranja", com a promessa de devolver em breve. 

Outras formas de clonagem:

Um levantamento feito pela empresa de cibersegurança PSafe, que desenvolve aplicativos de segurança, noticiou que houve mais de 134 mil tentativas de hackear em clonar contas de WhatsApp apenas no primeiro semestre de 2019 e acredita-se que 2020 não foi diferente. Diariamente, 23 pessoas são vítimas de clonagem de contas em todo o País, atingindo 8,5 milhões de brasileiros.

Neste ínterim, entre a ligação do meliante e a conquista do login, o golpista, que em posse do número de segurança, se torna detendor de livre acesso à conta e todos os contatos da vítima, como agenda telefônica, conversas pessoais, fotos e demais informações. Em seguida, aplica a extorsão e o estelionato, prejudicando o usuário/proprietário do telefone e vítimas que caem no “conto do vigário”, que acabam transferindo ou mesmo depositando na conta da quadrilha valores que se tornam irrecuperáveis.

Uma dica para evitar também este golpe é de jamais entregar seu telefone desbloqueado a terceiros desconhecidos, pois o risco é muito grande de serem estes, golpistas, aptos a delinquir, pois no momento de distração você poderá virar uma presa fácil deste crime.

A Clonagem de chip para exigir dinheiro de vítimas

Seria uma outra técnica de conseguir clonar o chip de celulares e, por consequência, o WhatsApp, para extorquir dinheiro dos usuários. Utilizando uma brecha no mecanismo de verificação de identidade no call center das operadoras de telefonia. Os criminosos compram chips novos e ligam para a central das empresas se passando pelas vítimas, em uma suposta tentativa de recuperar um número perdido ou roubado. Mesmo com a solicitação de dados pessoais, como endereço completo e CPF, alguns bandidos conseguem passar por essa barreira de segurança e ativar o número das vítimas no novo chip. Então, passam a entrar em contato com amigos e parentes para pedir depósitos em dinheiro. 
É preciso entender como funciona o golpe para poder se livrar do processo de clonagem do aplicativo, onde invasores acabam lesando e muito pessoas do bem que ficam sabendo só após amigos, parentes e colegas ligarem para estes(as) e perguntar de o porquê você estaria pedindo valores?

A vítima tem que desconfiar sempre, quando receber ligações de telefones desconhecidos e de DDD de outros Estado. Pois o manejo dos pilantras é sempre o mesmo, ligando e informando que há reclamações referentes ao contato do cliente e pedem que a pessoa confirme a própria identidade, dados pessoais e fornecendo o código que será enviado por SMS. Quando a vítima fornece a combinação que chega ao aparelho, e os golpistas conseguem ativar o WhatsApp em um novo dispositivo e clonar a conta, nasce aqui mais uma vítima.

E é nessa pegada que o criminoso poderá usar o conteúdo das mensagens para fazer chantagens com a vítima em troca de dinheiro.  

A cena sempre é a mesma, onde o invasor se passa pela vítima, vindo a aplicar golpes em valores muitas das vezes altíssimos, como depósitos e transferências feitas em contas de “laranjas”, trazendo um transtorno de grandes proporções.

Mas não param por aí as formas de invadir um telefone, pois também existem aplicativos “espiões”, chamados de “stalkerware”, que possibilita espionar conversas privadas de pessoas próximas à você, como se fosse um detetive particular, muito utilizado por mulheres para farejar o telefone de seus maridos ou namorados, que também por si só não deixa de ser um app espião, só que neste caso para plotar possíveis infidelidades.

Como saber que o WhatsApp foi clonado?

Como na maioria da vezes em nossas vidas é possível dar uma resposta a uma pergunta difícil, é possível saber se meu WhatsApp foi clonado sim. Inicialmente ficar atento em qualquer movimentação estranha na sua conta bancária, observar que conversas não lidas por você constam como visualizadas, ou notar mensagens que não lembra de ter enviado a ninguém, pois é bem provável que o seu WhatsApp esteja ativo em um lugar diferente do seu aparelho. 

Outra forma de saber se está clonado seria onde envolve “sessões ativas” no WhatsApp Web, pois no menu principal do mensageiro, é possível conferir quais dispositivos estão conectados, certo que se houver algum login suspeito, pressione a opção “sair de todas as sessões”. 

Uma boa dica é de que caso sinta que sua conta está em risco, tomar uma medida emergencial de apagar conversas que revelem informações pessoais, como dados bancários e fotos íntimas. Para isso, abra a conversa e toque no ícone de menu (três pontos), no canto superior direito da tela e em seguida, pressione “Mais” e escolha a opção “Limpar conversa”. 

Como recuperar WhatsApp clonado?

Se o seu WhatsApp foi hackeado, entre em contato com a operadora do celular e solicite a suspensão temporária da linha telefônica. Após este feito, se dirija até uma loja autorizada da sua operadora e peça para transferirem o número para um novo chip. O procedimento é feito na hora.

Este golpe está sendo aplicado nos dias atuais, mas não pense que somente este é que ataca vítimas inocentes. Existem diversos outros feitos através de contato telefônico, como o famoso “Golpe do Chute” (onde já falei em matérias passadas), o “Golpe do sequestro relâmpago” e o clássico “Golpe do bilhete premiado”, que é aplicado na presença de autor e vítima.

Sigam as orientações acima faladas, para que não sejam futuras vítimas destes estelionatários, que por vezes atuam de dentro de presídios e penitenciárias.


Por Cacildo Cardoso Filho, Advogado inscrito na OAB/SC 40.885, atuante nas áreas de Direito Penal e Direito de Trânsito.

Galeria de Fotos:



Sobre Cacildo Cardoso Filho

Advogado


Sobre a Coluna

Linha Jurídica

Uma coluna que reúne assuntos relacionados a legislação em geral, como Direito Penal, legislação de trânsito e mobilidade urbana. Confira os assuntos em destaque no campo jurídico na visão de um especialista nos temas acima citados, o advogado Cacildo Cardoso Filho.


COMENTÁRIOS