ECONOMIA

Auxílio de R$ 900 é aprovado em Santa Catarina
Saiba quem terá direito ao benefício e como ele será pago


Carlos Moisés alterou a MP para R$ 900 e incluiu 7 mil famílias no benefício. (Foto: Agência AL)

Os deputados estaduais de Santa Catarina aprovaram a criação do auxílio emergencial para 67 mil famílias catarinenses. O valor do benefício, batizado de SC Mais Renda pelo governo estadual, é de R$ 900, que será pago em três parcelas.
O dinheiro será depositado em cartões que os beneficiados usarão para fazer compras em supermercados, farmácias, postos de combustíveis, etc. A primeira parcela está prevista para ser paga em julho.

A Medida Provisória (MP) havia sido enviada inicialmente pela governadora interina Daniela Reinehr. Há duas semanas, o governador Carlos Moisés deu entrada em uma emenda para alterar a MP. Ele aumentou o valor de R$ 600 para R$ 900 e incluiu mais 7 mil famílias para serem contempladas.

Mais emendas foram propostas, mas não foram aprovadas. A deputada Luciane Carminatti (PT), por exemplo, propôs quatro emendas. Entra elas estavam um valor de R$ 450 para mulheres provedoras de lares e a prorrogação dos pagamentos até o final do período de calamidade pública no estado.

Quem receberá o benefício

Segundo o projeto do governo de Santa Catarina, terão acesso ao auxílio emergencial famílias registradas no Cadastro Único (CadÚnico) e do Benefício de Prestação Continuada (BPC), que não receberam nenhum auxílio do Governo Federal, além de pessoas desempregadas nos setores ligados a alimentação, transporte coletivo, alojamento, promoções, eventos e turismo. Entram também trabalhadores que tenham perdido o vínculo formal de emprego entre 19 de março de 2020 e 1º de maio de 2021, em empresas de diversos setores da economia.

Como será pago

As pessoas beneficiadas vão receber um cartão no estilo "vale", em que o estado depositará os valores mensalmente. Ele poderá ser usado em locais como supermercados, mercearias, padarias, quitandas, açougues, farmácias, restaurantes, papelarias, livrarias e até em postos de combustíveis.
O crédito deve ser usado no momento da compra, então não há como sacar o dinheiro. Isso geraria custos adicionais de R$ 5,90 por saque ao usuário e nem todas as cidades de SC têm o terminal 24h do Banco do Brasil, que trabalha com a rede Alelo, responsável pelo cartão.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



ECONOMIA  |   15/04/2021 09h30