POLÍTICA

​Eleições em Camboriú: retrospectiva dos últimos 38 anos




Crédito das fotos: Histórias e imagens de Camboriú e dos Camboriuenses

Seguindo a máxima que diz que "é preciso olhar para o passado para entender o presente", o Linha Popular traz uma compilação das últimos resultados das eleições diretas para prefeito em Camboriú. 

A primeira eleição direta após a ditadura militar, em Camboriú, aconteceu em 1982. Na época quatro partidos apresentaram oito candidatos para disputar o pleito eleitoral. O Partido Democrático Social (PDS) trouxe três sublegendas, com os candidatos Luiz Manoel Cruz, Fernando Garcia e Anacleto Testoni. O Partido dos Trabalhadores (PT) escolheu Sebastião Amorim, e o Partido Democrático Trabalhista (PDT) optou por Geronimo Cardoso. O Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), atual MDB, também disputou com três sublegendas, tendo como candidatos  João Moraes Filho, José Pedro Heizen e Andronico Pereira Filho que foi eleito com 26,52% dos votos. Naquele ano, o eleitorado de Camboriú era bem menor do que atualmente, com apenas 7.934 eleitores. Além disso, 4,5% do eleitorado votou branco, 2,21% nulo e 12,63% se absteve de votar. 

Andronico Pereira Filho (Androninho)

De camisa branca, Andronico Pereira Filho (Androninho)

Em 1988, a disputa eleitoral já foi diferente. O eleitorado aumentou para 10.362, e apenas dois candidatos se colocaram seus nomes a disposição dos eleitores: Wilson Plautz , o Rolinha (PMDB) e Alcioni Dalago (PDS). O PMDB mais uma vez levou as eleições, elegendo Plautz com 50% dos votos. 12,75% dos eleitores votaram branco, 1,47% anularam e 5,33% se abstiveram. 

Rolinha (Wilson Plautz) ao centro da foto.

Na eleição seguinte, em 1992, Luzia Coppi Mathias, atual candidata, disputou o pleito pela primeira vez pelo Partido Social Democracia Brasileira (PSDB), concorrendo com Ainor Francisco Lotério, pelo PFL (Partido da Frente Liberal) coligado com o PDS e Aldo Mario Bastos (ALdinho), pelo PMDB, coligado ao PDT. Naquele ano, Ainor Lotério venceu o pleito  com 40,53% dos votos. Camboriú possuía 13.424 eleitores;  4,77% votaram em branco, 2,42% anularam e 9,74% deixaram de votar.

De óculos, o ex-prefeito Ainor Lotério (PFL)

Em 1996, Wilson Plautz (PMDB) se candidatou e foi eleito novamente, em coligação ao PSC, com 50% dos votos. Neto Santana disputou o pleito tendo Luzia Coppi como vice, mas ficaram atrás por uma diferença de 300 votos. A coligação reunia PDT, PFL, PPB (Atual PP) e PSDB. Camboriú possuía 17 mil eleitores, 12,87% se abstiveram, e dos comparecimentos, 2,95% votaram nulo e 1,38% branco. 

Santinho da eleição de 1996, Neto Santana disputou o pleito tendo Luzia Coppi como vice

A eleição de 2000 também foi apertada. A coligação que reunia PDT, PL e PMDB elegeu Wilson Plautz, o Rolinha, com 48,3% dos votos. Outros quatro candidatos também concorriam no pleito eleitoral, sendo eles: Ainor Lotério (PFL, PPB, PSDB e PTB) com 44,22%, Lauro e Augusto (PT) com 7%, Adelson Silva (PHS) 0,3%, e Henrique do Mel (PV) com 0,18%. O eleitorado já era de 22.454, sendo que 11,73% não compareceram, e dos comparecimentos 3,48% votaram nulo e 1,59% em branco.

Em 2004, quatro candidatos concorrem na eleição. Edson Olegário, o Edinho (PDT) foi eleito com 34,94%, apenas 133 votos a mais que Androninho (PMDB) e 1.374 a frente do terceiro lugar, ocupado por Neto Santana (PFL). O outro candidato era Professor Isaias (PT). Dos comparecimentos, 2,88% votaram nulo e 1,3% em branco. Camboriú tinha um eleitorado de 26 mil, sendo que 12,23% dos eleitores se abstiveram.

Edson Olegário, o Edinho.

No ano de 2008, Luzia Coppi Mathias voltou ao pleito, dessa vez como candidata a prefeita, e se elegeu com 63,73% dos votos. Na época, Luzia substituiu a candidatura de Edson Olegário, o Edinho, que teve a candidatura impugnada pois deixou de votar no referendo do desarmamento, em 2005, e não justificou a ausência nem pagou multa no prazo previsto por lei. Em 2008, os outros dois candidatos eram Androninho, da coligação do DEM, PMDB, PP, PPS, PR e PTB, e Lucien (PT). O eleitorado  já era de 30.624, e 12% se abstiveram de votar. Dos que compareceram, 2,98% votaram nulo e 2,1% em branco

Luzia Coppi Mathias (PSDB)

Em 2012, Luzia (PSDB) se candidatou novamente, se reelegendo com 54,71% dos votos. Edinho (PDT) também voltou a concorrer ao pleito contra mais dois outros candidatos:  Aldinho Bastos (PMDB) e Claudinei Loos (PSD). O eleitorado havia aumentado em 7 mil, com 37.600 eleitores, os quais 14,56% se abstiveram, e dos comparecimentos 5,2% votaram branco ou nulo. 

O atual prefeito de Camboriú, Dr. Elcio Kuhnen se candidatou pela primeira vez a prefeito em 2016, pelo PMDB. A coligação reunia PC do B, PP, PSC, PSDC, PT, PTC e Rede. Elcio foi eleito com 48,62% dos votos de um eleitorado avaliado em 42 mil. Márcio Rosa (PSDB) e Montibeller (PSD) também disputaram as eleições. Dos comparecimentos, cerca de 7% votaram nulo ou branco, e 16,64% dos eleitores não compareceram, sendo este o recorde de abstenções na cidade. Esse número tende a aumentar nesta eleição, pois muitos eleitores devem justificar o voto devido ao isolamento social causado pela pandemia de Covid-19.

Dr Elcio Kuhnen (MDB) e o vice-prefeito Ramon Jacob (Podemos)

Em uma análise histórica das eleições de Camboriú pós ditadura, o PMDB é partido que mais obteve êxito, elegendo por 5 vezes seus candidatos: em 1982, 1988, 1996, 2000 e 2016. Em forte concorrência, o PSDB possui 3 triunfos eleitorais: em 2004, 2008 e 2012. 

Atualmente, o eleitorado de Camboriú conta com  51.322 eleitores (26.911 mulheres e 24.411 homens). Neste ano, tanto o MDB quanto o PSDB disputam as eleições. O MDB com o atual prefeito Dr. Elcio Kuhnen, com o apoio do PL, PP, PDT, Cidadania, Republicanos e PTB, formando a coligação “Seguir em frente para fazer muito mais”. 

Quanto ao PSDB, Luzia Coppi mais uma vez concorre ao cargo pelo partido, com a coligação “Com você para Camboriú crescer”, junto com o PSD, Podemos, Democratas, Solidariedade, Patriota e Prós. Além deles, Jane Steffen (PSL) e Padre Antonio Wilbert (PT) também disputam o pleito.




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍTICA  |  19/10/2020 - 16h





POLÍTICA  |  15/10/2020 - 16h